4.6.08

A propósito da eleição de Manuela Ferreira Leite

Não voto, nem nunca votei, PSD. Contudo fico contente com a vitória de Manuela Ferreira Leite, não por estar convencida pelas ideias que defende, mas porque a sua vitória abriu um novo capítulo na história das mulheres em Portugal, mais concretamente na relação das mulheres com o poder político no nosso país, tendo alcançado uma posição nas esferas de decisão política que, até à data, nenhuma mulher portuguesa tinha conseguido. Manuela, os meus sinceros parabéns!

No entanto, como é referido no Editorial do DN de 02.06.08, este tema esteve ausente da campanha, bem como das análises que dela foram feitas.

"Estas eleições no PSD foram um marco também porque elegeram para líder de um grande partido a primeira mulher. Este facto foi tratado como um pormenor. Mas a verdade é que Manuela Ferreira Leite pode vir a ser a primeira mulher chefe de governo em Portugal. Até agora, foi a que chegou mais perto. Mas esta questão nem sequer se colocou. Nem na campanha, nem nos media (embora ontem fizesse manchete de um jornal). A própria Manuela Ferreira Leite nunca lhe fez referência, para dentro ou para fora do partido.
(...)
Em que posição é que isto nos coloca? Seremos um país moderno e pouco preconceituoso, ou simplesmente um país que não encara de frente os seus problemas, nomeadamente o da igualdade entre homens e mulheres?"


A esta pergunta, respondo sem grandes hesitações: opção b.
Muito feminismo terá ainda que passar por Portugal para mudar este status quo!

Miss Piggy

20 comentários:

Bamberita disse...

adorei o blog, contem comigo para oque for ok!

Barriguita disse...

:P E depois ainda dizem que não há diferenças entre os membros deste Colectivo...

Pois, já eu, aqui do mesmo cantinho, desculpa-me lá, mas dar os parabéns à Manuela Ferreira Leite é coisa que não dou. Detesto o simples facto por ser mulher ter que se salutar. Já tivemos uma Pintasilgo como Primeira-Ministra, a 2ª da Europa. E já tivemos a Ferreira Leite como uma péssima ministra da Educação e das Finanças... E basta pensar pensar na Angela Merkel. Aliás, cada vez que olho para a Ferreira Leite vislumbro o seu wanna be de Angela Merkel, e isso não é bom; nem para o ampliar democrático, e muito menos para o feminismo. Portanto, saudar a ascensão da Ferreira Leite no way, no way, no way!!

catarina disse...

pelo que li no Y da semana passada, a propósito do Sexo e a Cidade (o filme), existem claras demarcações de opinião entre vós. até fiquei c pena de não perceber quem é que disse o quê, pq vcs só foram identificadas com "um membro" do colectivo e "outro membro do colectivo", mas que tá lá diferença, tá! concordo com a barriguita, aplaudir a manuela só porque é mulher?!!!

La Strega disse...

Infelizmente é uma realidade que muitas mulheres que chegam a este ponto não só não representam, como prejudicam o seu próprio género... exemplo famoso: Margaret Thacher, para mencionar apenas uma.

Para chegar a este lugar tem que eliminar a sua femininidade ou arriscam-se a não ser levadas a sério... exemplo famoso: Segolene Royal, de quem só se falava se era bonita ou não.

Não, antes um homem que uma mulher mal amanhada. A vitória virá não quando uma mulher for eleita, mas quando uma mulher for eleita mesmo sendo mulher e não porque é capaz de satisfazer as insegurancas do status quo.

paraiso disse...

Mas isso não é o inverso de vou discrimina-la só porque é mulher?

"não sei como" têm voz media quando piam tão pouco. H´+a gente que se tem que esfalfar com artigos brilhantes e persistencia.

ana disse...

A competência é uma factura que se paga diariamente. Não interessa nada às mulheres que MFL tenha sido eleita porque na base disso não esteve a sua posição enquanto mulher e enquanto mulher competente. Parece até que só foi eleita por se parecer mais com um homem. Não me revejo naquela mulher e não gostei dela enquanto ministra.

Lolita disse...

Yap, Ana, a Manuela Ferreira Leite ainda por cima representa o pior que há naquele partido.

paraiso disse...

"Não me revejo naquela mulher"

"Parece até que só foi eleita por se parecer mais com um homem."

O QUE NOS DEIXA COM A QUESTÃO: A FEMIÊDADE É UM DADO BIOLÓGICO, UM DADO ANTROPOLÓGICO, OU RELACIONA-SE INTEIRAMENTE COM A ADESÃO A UMA IDEOLOGIA? QUE IDEOLOGIA? VÁ, ESSAS BRILHANTES ANÁLISES. COM QUE DIREITO NÃO TE REVÊS naquela MULHER?

"FEMINISTAS" DA IDADE DA PEDRA!!!!! CHIÇA!

Anónimo disse...

Talvez não fosse má ideia refletir no seguinte:
Na generalidade, são os partidos de direita que permitem o acesso das mulheres aos mais altos cargos.
Com muita pena minha, a esquerda anda um pouco distraída. Talvez fosse mais interessante pensar como arranjar uma mulher que possa fazer frente,à que quer queiram quer não o PSD elegeu.
Com muita pena minha, ficará na história. O que vale é que eles (PSD) ainda nem perceberam a importãncia da coisa.
Apesar de não gostar da sua política, é uma mulher.
Lembrei-me agora que a revisão do código civil e os alicerces da condição feminina (o que hoje se chama CIG - Comissão para a Igualdade Genero)que tanto jeito nos dão foram elaborados por uma mulher do PSD.
Vocês desculpem, mas a esquerda anda a dormir.E se calhar connosco, mas fazerem alguma coisa para nos deixarem chegar ao poder...

ana disse...

"COM QUE DIREITO NÃO TE REVÊS naquela MULHER?

"FEMINISTAS" DA IDADE DA PEDRA!!!!! CHIÇA!

17/6/08 14:03"

Ó paraíso, vai gritar para a tua rua.
Tenho todo o direito de não me rever naquela mulher, ou para isso preciso da tua autorização? Era só o que faltava.

paraiso disse...

colectivo feminista. O nome diz tudo. Sou feminista, é a minha rua.

Reza a lenda que o feminismo saíu, teve que se afastar, da esquerda.
A revolução de 17 deu ao mundo o primeiro estado com os direitos das mulheres consagrados, mas nos anos 30 já lhes andava a pedir que usassem baton. Nunca consegui averiguar a história desse retrocesso por falta de fontes, mas fala-se de uma restruturação (incapacidade e falta de vontade de) demasiado profunda no que toca à relação habitação-família.
Na FLUP (sociologia), o regente de curso, comunista velha guarda disse a estes ouvidos que a terra há-de comer que primeiro se tem que resolver a fome, DEPOIS a condição das mulheres. A coisa da mulher burguesa em pleno, ultrapassado pelo feminismo NA TERCEIRA VAGA DE FEMINISMO (FOSCA-SE, SÓ ME APETECE GRITAR COM ESTAS MÃES FÁLICAS). Anyhow, no anarquismo "jovem", a coisa parece estar melhor, assim vejo na imprensa internacional, feminismo e LGBT, mas não cá em portugal. Cá está a modos que meio invisível no discurso, ainda que as gajas se mexam na realidade.
Na maneira como penso as coisas, o feminismo está assim relacionado com a esquerda:

nada a ver: estratégias de sobrevivencia face ao tecto de vidro (acesso á ordem simbólica)
tudo a ver: resolução crítica da estrutura familiar, logo, económica (eco=casa como unidade produtiva); trabalho alienado e fetiche: o que é o trabalho da mulher nessa análise?

paraiso disse...

;P diritos são privilégios. De certeza que estás nessa posição, ou só em relação a mim?

Colectivo Feminista disse...

Caro anónim@, comentários de foro insultuoso para connosco ou para quem comenta este blog (neste caso Paraíso) não são publicados. Portanto, discordemos, sim, mas não há necessidade de partir para o insulto ou observações pouco simpáticas.

Cão Meigo disse...

Acabei de ler o comentário do Colectivo Feminista que se dirige a "Caro anónim@" em 23.6.08.

Eu sou o "anónimo" de 17/6/08 20:19.
Espero, para bem da liberdade de expressão, que tenha havido outro anómimo, pois o meu comentário não me pareceu insultuoso ou de observação pouco simpática. Limitei-me a constatar factos e deixar espaço para reflexão.
Por favor, caso seja eu o visado, digam. E para que não haja mais cofusão aqui vai o meu nick: Cão Meigo.
Irei "ladrar"(morder nunca)longe.

Colectivo Feminista disse...

Cão Meigo, obviamente que nos referimos a um comentário não publicado (i.e. não está visível). Comentário de um@ anónim@, que fugia do debate e da diferença de ideias, e simplesmente recaía no insulto claro a "Paraiso", como foi dito no nosso comentário anterior.

Cão Meigo disse...

Obrigado pelo vosso esclarecimento.
Continuarei então a "farejar" por aqui.

Já agora identifico a militante do PSD que colaborou na introdução das alterações ao Código Civil e colaborou na criação da Condição Feminina. Foi Leonor Beleza, actualmente directora da Fundação Antonio Champalimaud e que faz parte da Comissão Promotora do Congresso Feminista.

Foi também com bastante satisfação que verifiquei que o programa do Congresso Feminista inclui o 12º Arraial Pride,no dia 28 de Junho, às 17 horas na Praça do Comercio.

No entanto... "esqueceram" a Marcha do Orgulho LGBT... Que é no mesmo dia, mas às 16 horas no Príncipe Real.

Não se esqueçam da Ti-Grace Atkinson...Será que ela "ainda" tem razão com a sua frase: "O feminismo é a teoria, o lesbianismo é a prática"?

Lolita disse...

Cão Meigo, não me parece que sequer alguma vez ela tenha tido razão....

Qt à Marcha é muito simples, parte do Príncipe Real, sim, às 16, para terminar na Praça do Comércio, onde se realiza o Arraial. Infelizmente, a sessão de encerramento do Congresso Feminista calha à mesma do hora do início da Marcha. Quanto a essa sobreposição, melhor saber junto do Congresso Feminista ou das entidades envolvidas.

LR disse...

Esta da MFL ter sido eleita líder do PSD e poder ser a 2ª PM portuguesa, fez-me pensar... Partilho do que escreve Miss Piggy, mas pus-me a olhar para a lista da MFL e cadê mulheres na direcção do PSD?1 Só homens, quiça incompetentes.Ora eu acho que temos o mesmo direito à quota de incompetentes mulheres no poder - acreditem, sei do que falo e quanto isso me queima a pele.
Claro que não gostei dela como ministra da Educação, das Finanças e Secretária de Estado... não sou PSD:) Mas dá-me um certo gozo ver tantos homens a reconhecer-lhe competência. E se calhar isso já faz alguma diferença.

Cão Meigo disse...

É a sua opinião Lolita e na realidade fugi um pouco ao tema Manuela Ferreira Leite, que concerteza não irei encontrar nem na teoria (congresso) nem na prática (marcha)...

paraíso disse...

o insulto, tinha alguma espécie de sentido mal formulado, ou era pura bla bla bla?

assim ou assim, isto da MFL tem aquela coisa peculiar: a gente sabe que o que está em questão não é tout competencia, é também carisma, e é neste campo que se pode dizer a cena do "ela parece um homem", como se dizia da tatcher. É uma coisa para-linguística....