21.11.07

Felizmente há muito mais cerveja para beber


A cerveja Tagus lançou uma campanha intitulada Orgulho Hetero:
"A TAGUS, cerveja puro malte, criou uma nova campanha publicitária que tem como conceito o orgulho heterosexual. (…)

Esta supreendente campanha também originou a criação de um novo site Tagus: www.orgulhohetero.com*, onde a marca pretende desenvolver este conceito e promover o convívio entre jovens do sexo oposto. 

O site do orgulho da TAGUS vais ser a porta de entrada num mundo hetero. Aqui o consumidor poderá encontrar uma (ou várias) possível caras-metade e flirtar com ela. A ideia deste site é construir uma pequena comunidade virtual o HI Hetero constituindo uma forma simples de conhecer pessoas do sexo oposto. Para além desta area mais lúdica, neste site os interrnautas podem ficar a par de todas as novidades da marca TAGUS, descobrir novas verdades dedicadas ao Orgulho Hetero e comprar merchandising Hetero." (lê-se no site da Tagus) 

Se a Tagus vender como sabe, suponho que venda pouco. Logo, tenta ir pelo caminho da Superbock mas muito, muito, muito, aquém. Então aposta no fácil, no mau gosto, pois sabe que vai criar polémica, que vai ser falada e isso será sempre publicidade. 
Enfim, esta campanha da "Verdade" com os seus crachás de orgulho hetero quase que me fazem lembrar o crachá do grande "V" de Virgem.  Ou isso ou o Partido Popular. Mas já agora, tenho pena que o dito site* do orgulho hetero tagus esteja com disfunção eréctil, pois estou curiosa em saber que raio será o merchandising hetero. 

-Lolita 
* No momento que escrevo este post o site não está ainda acessível. 

20 comentários:

Isabel Correia disse...

Não percebo onde é que está a homofobia ou sequer o mau gosto da campanha. O conceito de "orgulho gay" não tem problema nenhum, mas o de "orgulho hetero" já tem? Trata-se de mera referencia cultural, já que toda agente tem uma vaga ideia do que é "gay-pride". Se se quer defender a igualdade entre todas as pessoas, então defendam a igualdade de TODAS as pessoas. Não sejam tendenciosos nas avaliações que fazem porque o extremo da indiscriminação pode-se tornar tão ou mais discriminatório. Alguém que aceita a igualdade entre heterosexuais e homosexuais não estranha nada na campanha. Se considerarmos discriminatorio este tipo de iniciativa, então acabem-se com as gay-parades e afins. Também o seria em relação aos heterosexuais. Deixemos mas é de ser sensiveiszinhos em relação a tudo, que a mania da perseguição está fora de moda. No dia em que todos encararem campanhas como esta, num e noutro sentido, então estaremos verdadeiramente numa sociedade que respeita todos e cada um dos seus elementos.

Lolita disse...

Isabel Coreia,

Não confundir. "Orgulho LGBT" faz todo o sentido de o ser e de ser reivindicado como tal uma vez que ainda se é discriminado ou marginalizado por isso, logo, afirmar - e celebrar- essa identidade que não corresponde ao mainstream, ou seja à heteronormatividade, tem toda a pertinência de ser apelidado de "orgulho" e ser celebrado com orgulho em manifestações ou paradas, enquanto os preconceitos e as discriminações continuarem a ser práticas quotidianas; portanto, não confunda o carro com os bois, porque não é mesma coisa. Até que pela sua lógica, nesse caso também faz qualquer sentido, e é democrático e não discriminatório, o "orgulho branco"... :P

Isabel Correia disse...

eu acho que muito dessas reacções indignadissimas contra certas coisas minimas, como acho que seja o caso, são sentimentos de culpa gerais. Eu não quero confundir o carro com os bois, mas olho é para as duas perspectivas. Muitas vezes há discriminação, outras vezes ve-se malicia em coisas insignificantes; não confudemos os carros com os bois, claro está; mas nao obcequemos com os bois.

rosa que fuma disse...

reforço a ideia que TODOS os movimentos de ORGULHO surgem associados à ideia de AMEAÇA. Pense-se bem nisso.Não se está a discutir MAU GOSTO noutros sítios (por acaso é uma cerveja sem aditivos de q gosto!) , mas A USURPAR reciprocamente certos NOMES. A MARCA usorpou o slogan dos LGBT, q na minha modesta opinião são ameaçados (ao contrário dos brancos pelos pretos, e na leitura do anuncio, dos hetero pelos LGBT)e os LGBT do grupo PR usurpou a campanha, com uma belíssima demonstração de fair play, salvo o facto da marca ter A LIBERDADE GARANTIDA de os processar. Isto porque as marcas não vendem produtos, MAS DISCURSOS, para os quais compram espaços PUBLICOS (nossos), sendo que a resposta só é possível ou com $$ (como o gato fedorento no marquês, e..e..) ou atraíndo atenção mediática, e uma certa coisa chamada OPINIÃO PÚBLICA. Por isso susceptibilidadeszinhas ranhosas como a sua, isabel, do tipo falar mal com as vizinhas, são do mais porreiro e inteligente que pode haver.

Likas Meow disse...

Por acaso acho que esta "campanha" não tem outro sentido para além vender.

Parece-me até (se calhar estou numa teoria da conspiração...) que estão no gozo com o facto de se usar a palavra "orgulho" LGBT. Demonstra, em primeiro lugar, descrédito, ignorância e ridicularização das causas da comunidade LGBT.

Por outro lado, também me dá ideia de que estão a seguir o princípio de "falem mal de mim, mas falem". Não me parece exactamente homofobia, mas que tem traços disso... tem!

Sara Santos Silva

Rita disse...

até costumo ser um bocado fundamentalista quando acho as coisas sexistas mas sinceramente não vejo nada de mal nesta campanha. Orgulho Hetero? Porque não? Ora é como ter orgulho em ser mulher. ou em ser gay. ou do benfica. A campanha em si não acho apelativa. Mas tambéma não acho eficaz o "gay pride parade" por exemplo. Oh pra mim a beijar pessoal no mesmo sexo!! é a mesma coisa que ver heteros rebarbados a comerem-se nas esquinas. lutar por direitos iguais, isso acho perfeito - agora que se foque a diferença no acto em si acho descabido. lutar *na diferença* parece-me estúpido quando o objectivo é atingir a igualdade. acho que a campanha tenta ter algum sentido de humor que não consegue. não percebo porque estão a achincalhar a Isabel.

rosa que fuma disse...

fui eu q achincalhei. não haver motivo para reagir não é o mesmo que não sentir "o toque". Os motivos são pessoais ou colectivos (de comum acordo e concertação de estratégias). Não sentem o toque? A sério? Bebam Paybock, para ganhar pelos no peito.
(não é achincalhar, são pancadinhas de amor no "espectador-colectivo")

rosa que fuma disse...

playbock, como é óbvio. Lembram-se da campanha em que as garrafas formavam belissímos abdominais tonificados? lindos! Fui logo comprar!

Iris disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Iris disse...

Desculpem lá, mas onde é que está a duvida? Esta campanha é claramente HOMOFÓBICA ! "Se és hetero, regista-te" é igual a: se não és hétéro, estás fora.
Se a mesma cerveja tivesse usado "branco" em vez de "hétéro", não havia dúvidas de que era racista, ou havia?
A Tagus já veio dizer que nã queria ofender ninguém. Ah não, pois usem o cérebro a par da criatividade, e terão melhores resultados!

Anónimo disse...

este anúncio é mesmo machista! E parece que ninguém está a ver!
1 gaja bebe umas cervejas e talvez consiga libertar-se e dar conversa aos gajos todos com tusa que existem no planeta!
Se não as consegues convencer quando estão sóbrias, paga-lhes uma Tagus!

fuck them!

Anónimo disse...

Como sempre, as ditas feministas, mesmo, mesmo, mesmo feministas são lésbicas. Que tristeza, que tristeza. Depois de ler as vossas opiniões só posso ter pena de vocês.

Anónimo disse...

mas existem lésbicas mesmo, mesmo, mesmo, mesmo lésbicas que não são feministas.
...e existem feministas mesmo, mesmo, mesmo feministas que são heteros (como a maioria das que conheço)
...e existem heteros mesmo, mesmo, mesmo, mesmo heteros que não suportam nem as feministas, nem as lésbicas.
Como sempre os heteros ditos hetero são sempre machistas e homofóbicos. Que tristeza!

Fanan o Gnomo Amarelo disse...

Mais uma vez este blog cria uma tempestade num copo de água e só vê aquilo que lhes convêm.
Homofobia? Suponho que eu como um gnomo heterossexual da floresta me deva sentir ofendido com sites como o gaydar, ManHunt ou OUTeverywhere por serem orientados para a comunidade não-hetero? Ou estes protocolos de afronta só podem funcionar quando os excluídos são os non-mainstream? Um bocado hipócrita if you ask me.

A ideia de que isto é um anúncio machista é igualmente surreal, existem 2s versões deste anúnicio, se tiras a mesma conclusão de ambos então tira os óculos do ódio da cara que isso só te faz mal à saúde.
O raciocínio da sô dona iris também tem uma grande falha mas invés de deixar aqui 2 ou 3 parágrafos a explicar a solução vou simplesmente apontar para os livros de matemática do 7º ou 8º ano e pedir para que reveja a matéria sobre domínios e contradomínios.

E para reforçar o que o penúltimo anónimo disse, alguém me explica o porque de existir o termo homofobia na frase de apresentação do blog:
"... grupo de mulheres e homens que procuram combater o sexismo e homofobia ..."
Desde quando é que a orientação sexual tem minimamente a ver com um movimento que luta pelos direitos da mulher?
De uma forma similar seria quase como se o movimento "Black Power" começasse a apoiar a "GNAA". E mesmo assim esta comparação até é mais credível visto que pelo menos ambos os movimentos partilham algo em comum (a raça).
Estão simplesmente a contribuir para que o estereótipo das feministas lésbicas prevaleça e ao mesmo tempo afastam outras feministas não apoiantes do movimento LGBT (ou essas não interessam a ninguém?).

*suspiro*

P.S. - Fanan é amigo etc etc

Lolita disse...

Caro Fanan,

e como sempre só comenta naquilo que acha tempestuoso. É curioso como há posts neste blog que ninguém comenta, mas nos assuntos onde já dá para enxovalhar com comentários depreciativos o Gnomo surge.

Pessoalmente, estou-me absolutamente nas tintas que considere que este blog contribui para o estereótipo das feministas lésbicas. Azar o seu. Tem essa ideia formatada e nada o demove. Se acha estranho lutarmos contra a homofobia, talvez seja porque é uma forma de discriminação enraizada nas práticas sociais e na cabeça das pessoas, que tal como o sexismo, provém dessa grande instituição que é o patriarcado. A homofobia mata, a homofobia existe e discrimina, e independentemente da orientação sexual de cada um/a de nós, deve ser combatida. Como também não temos que ser azuis ou amarelos para combatermos o racismo....

Além disso, o colectivo feminista também surge porque acha precisamente que as causas feministas devem ser mais abrangentes. É como dizer que só as mulheres podem ser feministas. Se realmente lesse o que escrevemos ao longo deste tempo todo, já teria percebido, mas, again, só está interessado em rotular-nos de lésbicas feministas, por isso, caro Gnomo continue na sua floresta encantada, a achar que o mundo é preto e branco, a beber Tagus.

Fanan o Gnomo Amarelo disse...

E claro está mais uma vez só lêem aquilo que vos interessa. Nunca vos rotulei de coisa nenhuma, porém continuo a dizer que "homofobia" e "machismo" são conceitos diferentes e que não devem ser postos no mesmo saco. Se tu ou todo o colectivo acham que não então fiquem lá com a vossa ideia.

Sim só comento nos posts que acho tempestuoso porque para dizer a verdade é absurdo estar a criar tempestades onde elas não existem. Eu sigo este blog à bastante tempo não para me divertir (embora já tenha mandado grandes gargalhadas com certas opiniões ditas aqui) mas sim para ver como é que o movimento feminista em Portugal em principal a sua actuação na internet (onde pode ter uma força brutal) vai marcando a sua presença.
Apreciei bastante o vosso trabalho durante o referendo do aborto (embora tenham tido certas acções que discordo um bocado) ou notícias sobre a repressão das mulheres nos países islâmicos (que por sua vez segundo as notícias que recebo da AI não são nem uma ínfima parte que poderia ser postado aqui). Agora claro está, se algo me parece absurdo sinto-me impelido como qualquer ser humano com espírito crítico a manifestar-me, e sobre este artigo não sou o único a achar um completo disparate.

Por outro lado considero o vosso último post sobre o "orgulho hetero" uma comédia pegada e verdade seja dita dá-me vómitos ver como a "vossa" contra-propaganda consegue ser ainda mais asquerosa que um anúncio do PNR ou da FN.
A não ser que uma mulher a ser levada aos ombros por meia dúzia de otários seja igualmente revoltante para ti como o KKK ou violência doméstica é para mim, vocês acabaram de perder toda a pouca razão que podiam ter sobre este assunto.

Btw, eu não bebo cerveja Tagus, shit sux.

Barriguita disse...

Fanan, o último post, o da contra-campanha, não é da nossa autoria, e sim das Panteras Rosas.

Qt ao não noticiarmos tudo o que se passa, oxalá tivéssemos tempo e disponibilidade para denunciarmos tudo o que nos chega à caixa de correio ou encontramos por aí. Não pretendemos ser voz dos movimentos feministas, é impossível abranger tudo, mas tentamos no que podemos. Além disso, se reparar cada um/a de nós neste blog tem perspectivas diferentes, nem sempre estamos de acordo... Se nem sempre isso é perceptível, talvez seja uma coisa que tenhamos que trabalhar melhor. Ou não.

E ao menos na Tagus estamos de acordo. Seja!

rosa que fuma disse...

acerca de lésbicas feministas (por acaso já ouvi falar de um preto-nazi aqui em lisboa, just for the record, pode ser mito urbano). O patriarcado é uma actividade de controle da natalidade, que para tal, para além de segregação socio-económica, explora e conduz modalidades irracionais de aversão aos grupos segregados. O patriarcado é também a igreja do vaticano, ipsis verbis. Ao comportamento feminino foram levantadas este século as sanções socio-económicas (e em certos países, tomadas em conta as que se relacionam com a procriação, o que é novidade, "para elas mesmas!"). Há quem defenda que um comportamento masculino não patriarcal é tão raro que é a excepção que confirma a regra (daí a opinião que ter como objecto de desejo um homem seja uma auto-punição). E Eu confirmo: os meus amantes bissexuais tendem a ter menos contradições com a minha presença menos tradicional que os meus amantes estritamente heterossexuais. E nos amigos, os primeiros definem-me menos como uma "maluca" porreira e mais como um ser humano. Agora no mundo das ideias, sei lá, discutamos.

rosa que fuma disse...

e o fanan não distingue entre simbólico e real.

Ana Pinto disse...

Merchandising hetero, orgulho hetero, promoção do convívio entre jovens do sexo oposto, entrada no mundo hetero, comunidade virtual HI hetero, conhecer as pessoas do sexo oposto (e, já agora, compra mais umas cervejolas aqui da marca). Ora, se é heterossexual não é homossexual, logo exclui - é a lógica da batata mas parece que alguns e algumas nem essa atingem.
Quanto à palavra "orgulho", talvez os pouco informados queiram passar pelo blog das Panteras Rosa e verificar qual o significado dessa palavra antes de pensarem errado. E claro, para quê lutarmos pelas causas que não são nossas? Ora bolas, para que é que me vou estar a chatear a apelar à reflexão de colegas ou pessoas conhecidas que fazem, por exemplo, comentários homofóbicos? Para que é que vou apelar aos homens que participem da discussão da IVG se, afinal, quem fica grávida é a mulher? Mas porque é que hei-de mexer uma palha pelo que seja? E porque é que os meus amigos homens hão-de alertar as autoridades se eu for vítima de violência doméstica no futuro se não é nada com eles? Deixemos estar tudo como está então e nada dessas sensibilidadezinhas que só fazem de nós pessoas chatas que implicam com tudo. Acho bem, deixem-se estar acomodados(as) e egoístas no vosso cantinho..