15.5.09

"Here comes the war criminal, Donald Rumsfeld"


Donald Rumsfeld é carinhosamente saudado na entrada de uma cerimónia de angariação de fundos no Hilton..

Code Pink é um grupo feminista norte-americano empenhado em terminar com a guerra e com acções de rua bastante originais.

9 comentários:

Anónimo disse...

Petição online

Campanha 50/50 - igualdade entre homens e mulheres na participação política

http://www.womenlobby.org/site/form_3.asp

Madalena Madeira

Intruso disse...

a gritaria é dispensável, mas infelizmente é a úncica maneira de enbaraçar e punir publicamente este tipo de pessoas.

madalena madeira disse...

Sabia que:

Hoje praticamente todos os estados permitem que mulheres votem; as únicas excepções são sete estados muçulmanos, principalmente no Oriente Médio: Arábia Saudita, Barein, Brunei, Kuwait, Omã, Qatar e Emirados Árabes Unidos

Fonte - Wikipédia ( ver exclusões de género)

Fiquem bem,
Madalena Madeira

Anónimo disse...

Mulheres e mercado laboral - algumas considerações,

Certas categorias de mulheres são particularmente vulneráveis a desigualdades no mercado laboral: as mulheres no meio rural, aquelas que trabalham no sector informal, as mulheres migrantes, as jovens, as mais idosas, e as deficientes. Em ambos os extremos do espectro, as jovens e as idosas deparam-se com desvantagens particulares nos mercados de trabalho. As raparigas têm mais probabilidades do que os rapazes de virem a ser vítimas das piores formas de trabalho infantil, tais como a escravatura e a prostituição. As mulheres jovens tendem a ter índices de desemprego mais elevados do que os homens da sua idade. A pandemia do VIH/SIDA também aumentou a vulnerabilidade das mulheres devido ao seu acesso limitado à protecção social e à segurança económica. As mulheres mais velhas deparam-se com uma constante discriminação no mercado do trabalho e têm frequentemente de assumir responsabilidades de assistência à família, para além do seu trabalho fora de casa.

Fonte – OIT ( Org. Internacional do Trabalho)

Abraço,
Madalena Madeira

Adília disse...

A intenção pode ter sido boa, mas o efeito foi péssimo. Penso que as mulheres não ganham nada em envolver-se em acções deste tipo, dão mais um pretexto para serem apodadas de histéricas e com alguma razão. Aqui o apoio dos homens e cartazes a denunciar Rumsfeld teria sido bem melhor. È que o meio é mensagem e a mensagem que as mulheres estão a passar não as favorece precisamente porque neste contexto,o meio é o errado.

Lolita disse...

Engraçado como acha que os homens fazem falta segurar cartazes, ordeiramente. Pois se eles lá estivessem - ou mesmo elas- a fazê-lo sossegadamente, isso não seria notícia, nem abriria os jornais televisivos. O efeito surpresa é precisamente o que faz o efeito da coisa. E aliás, veja-se a cara de pau de Rumsfeld a agir como se nada fosse. Mas penso que à noite, qd se deita, se não lhe dói a consciência, doi-lhe pelo menos, os tímpanos.

Adília disse...

Cara Lolita, lá efeito a coisa teve , não ponho isso em causa só muito sinceramente duvido que tenha sido um efeito positivo. O que pode ter acontecido é ter alienada mais mulheres da causa feminista que anda com necessidade de apresentar uma mensagem positiva e este espectáculo o que ofereceu foi mais um pratinho aos e infelizmente às antifeministas. Estou-me nas tintas para o Rumsfeld e para a sensibilidade dos seus tímpanos mas não me estou nas tintas para as mulheres e para a injustiça e o preconceito com que políticos não só de direita mas é bom dizê-lo também de esquerda continuam a tratar as questões que a nós mulheres dizem respeito. De resto, como deve saber, as esquerdas de uma maneira geral nunca ficaram bem na fotografia quando se tratou de permnitir a real participação das mulheres na vida pública.

Realmente se a luta é contra Rumsfeld e contra políticas belicistas não faz muito sentido ignorar o contributo dos homesn , não acha.
Já agora talvez fizesse algum sentido os organizadores destas manifestações aprenderem estratégias de marketing para vender produtos porque esta mais uma vez reitero não foi boa.

Lolita disse...

Cara Adília, se clicar no link pode ver que o grupo Pink Code faz bastante mais do que "berraria". Tem sido um dos grupos feministas dos Estados Unidos mais empenhado em acabar com a guerra no Iraque no Afeganistão. Aliás, até no passado dia da Mãe, organizaram marchas e manifestações um pouco por toda a América, e uma delas foi um cordão humano à volta da Casa Branca, "ordeiramente" como defende... Isso passou no telejornal?...

Diz bem, as mulheres sempre tiveram entraves em ganhar voz na esfera pública, portanto, não vejo nada de mal, que arranjem estratégias mais originais para chamar a atenção. E neste caso, o grupo Pink Code tanto combina formas de activismo "calmo e ordeiro" (que fica bem na fotografia) como outro, um bocadinho mais ousado (aquele que nos leva precisamente a estar a falar disto).

Anónimo disse...

Concordo inteiramente com a Lolita. Esta "saudação" ao Rumsfeld não é absolutamente nada comparada com o que ele fez contra a paz no mundo. Aqui o histérico é ele!